Dicas para melhorar a acessibilidade

Dicas - 03/Jul/2019 - por Campus Code
De acordo com o Censo 2010, realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), quase 25% da população brasileira tem alguma deficiência. Por que então nós não temos nos preocupado com ¼ de nossos usuários?
Imagem de uma pessoa digitando um texto muito grande
Hoje, acessibilidade digital ainda é tida como diferencial, mas precisamos nos esforçar mais para que a entrega de aplicações web 100% acessíveis seja o padrão. Por isso, selecionamos 10 dicas para você verificar a acessibilidade das suas aplicações:
1. WCAG21 (Web Content Accessibility Guidelines 2.1)

É uma documentação bastante completa sobre acessibilidade em aplicações web. Disserta sobre como fazer conteúdo web mais acessível para pessoas com deficiência, cobrindo textos, imagens e sons até código propriamente dito. É uma iniciativa da World Wide Web Consortium (W3C) Web Accessibility Initiative (WAI).

2. WAI-ARIA (Accessible Rich Internet Application)

Essa documentação mais específica da W3C traz diretrizes para acessibilidade de página ou conteúdo dinâmico. Ela explica como implementar acessibilidade direto na semântica.

3. Checklist de acessibilidade

Designer, dev, gerente, tester ou redator: não importa qual o seu papel no projeto. Aqui tem checklists para ajudar a construir acessibilidade desde o início.

4. Wave Toolbar

Esta ferramenta procura por erros de acessibilidade na página, apresenta a ordenação dos elementos da página sem o estilo do CSS e verifica o contraste. Um ótimo ponto de partida para avaliar suas publicações e fazer ajustes.

Site demonstrando a ferramenta Wave Toolbar
5. AccessMonitor

Esse validador automático segue as recomendações da WCAG tanto na versão 1.0 como na 2.0. Após a análise do site ou app, o relatório identifica os erros, explica como devem ser corrigidos e indica a documentação para mais detalhes.

6. ChromeLens

Essa extensão do Chrome é um compilado de ferramentas de desenvolvimento para acessibilidade. Com ela, é possível simular como o site será percebido por pessoas com deficiências de visão (cegueira parcial ou de cores), avaliar a legibilidade acessível do site e checar como está a navegação tab/shift-tab.

Imagem demonstrando a ferramenta ChromeLens
7. Color Safe

Esse site traz uma ferramenta para experimentar contraste de cores, além de legibilidade e tamanho de fonte de acordo com o padrão WCAG.

8. OpenDyslexic

Uma fonte alternativa open source para auxiliar a leitura de pessoas com dislexia. Uma excelente fonte alternativa para sites e apps.

Imagem com uma comparação de letras entres fontes diferentes
9. Descrição ativa

Todos os elementos na tela devem ter descrição ativa inserida diretamente no código através de tags, especialmente em aplicativos mobile. Leitores de tela e dispositivos de tecnologia assistiva utilizam estas informações para que a leitura em voz alta ocorra. A dica é manter as descrições simples, curtas e diretas para facilitar o entendimento rápido do usuário.

10. Pa11y

Esse programa open source de linha de comando automatiza testes de acessibilidade. Ele usa HTML CodeSniffer no PhantomJS para reportar problemas de acessibilidade e é bastante versátil: você pode testar uma única URL ou múltiplas URLs, customizar regras e padrões de acessibilidade para os testes (como especificar que diretrizes vai priorizar), testar ações que o usuário pode tomar na sua página, como o site vai responder em uma dimensão específica (device-specific) e muitas outras possibilidades.

Pessoas dizendo 'Você realmente pode fazer a diferença lá fora'